Rita Ribera: a noventa anos uma negra realizava o primeiro voto de uma mulher na América do Sul (03/31)


No terceiro dia de celebração do #julhodaspretas, falamos de Rita Ribera: a primeira mulher a votar na América do Sul. Há pouca informação sobre Rita Ribera, entretanto, sabe-se que há 90 anos atrás, ela, mulher negra, tornou-se a primeira mulher a votar na América do Sul.



O voto feminino é muito recente quando comparada à história da democracia representativa. Homens brancos e ricos já foram os únicos portadores de direitos civis, políticos e sociais. Durante muito tempo, a luta pelo direito ao voto representou a luta pelo direito à cidadania. O direito ao voto representava o poder sobre as decisões públicas, portanto pelos rumos das decisões políticas. Entretanto, mesmo depois de tantos anos da era moderna, as decisões públicas ainda são marcadas por gênero, raça e classe.

A luta pelo voto feminino tem seu berço na Europa onde se misturava à luta do movimento operário contra a exploração dos trabalhadores. Nas Américas, em 1787 foi promulgada a Constituição dos Estados Unidos, entretanto só em 1919 definiu o direito de voto para as mulheres, através da Emenda Dezenove. O movimento sufragista nasceu com a luta contra a escravidão em meados do século XIX, tendo inclusive a participação fundamental de mulheres negras ex-escravizadas.

Na América do Sul, o voto feminino no Uruguai foi regulamentado em 1932. As mulheres votaram na primeira eleição nacional em 1938. Entretanto, em plebiscito na localidade de Cerro Chato, em que foi instituído o sufrágio universal, Rita Ribera, mulher preta, imigrante brasileira, foi a primeira mulher a votar na América do Sul.
Sabemos que as decisões públicas ainda são marcadas por gênero, raça e classe, portanto saber que a primeira mulher a exercer o direito ao voto foi uma mulher negra mostra a importância que as mulheres negras têm na história. Entretanto, o apagamento da participação de mulheres negras na história é tamanho que não encontramos imagens públicas de Rita Ribera. Entretanto, a celebramos porque sabemos que nossas vitórias de hoje são resultado da história de mulheres como ela.


Viva Rita Ribera!

Viva as mulheres negras!



No mês de julho vamos celebrar, conhecer, homenagear 31 mulheres no mês de julho! Sabemos que ainda é pouco, mas será um prazer rever a vida de algumas das nossas inspirações! Billie Holliday, Carolina Maria de Jesus, Elza Soares, Ella Fitzgerald, Chimamanda Ngozi Adichie, Sueli Carneiro, Taiye Selasi, Luiza Bairros... São tantas pretas maravilhosas que iremos homenagear! Não perca!!


*O primeiro país latino-americano a regulamentar o voto feminino foi o Equador em 1929. O voto de mulheres no Brasil foi adotado em nosso país em 1932, através do Decreto nº 21.076 instituído no Código Eleitoral Brasileiro, e consolidado na Constituição de 1934.

*Mais informações sobre o Plebiscito em Cerro Chato e o voto feminino


0 comentários:

Postar um comentário